Site menu Quando o sistema engessa o negócio
e-mail icon
Site menu

Quando o sistema engessa o negócio

e-mail icon

Era 2005. Íamos quase todo dia a uma cafeteria, beber um bom café e travar a batalha verbal capitalismo versus comunismo. Na hora de ir embora, tínhamos naturalmente de pagar a conta, e era sempre uma confusão: procurar notas pequenas e moedas, arredondar a conta para aqueles sem troco, vigiar os "chupins" que tentavam dar a volta na conta (por esporte, não por safadeza, naturalmente :)

Já que íamos sempre no mesmo lugar, pedimos inúmeras vezes para abrirem uma conta, de modo que não precisássemos catar moedas todo dia. Sugerimos inclusive um esquema "pré-pago", para evitar temores de inadimplência. Não eramos os únicos habitués, outras pessoas certamente iam aderir ao esquema.

Infelizmente, passaram 3 anos e eles ainda não aceitaram nossa proposta, provavelmente porque o sistema da loja era padronizado para a franquia e ainda não implementava esse recurso.

Chegou 2008, o ano mais desgastante da minha vida. Devido à correria de criar um bebê, comprávamos almoço freqüentemente num pequeno restaurante próximo, comida caseira e barata, o único aparelho eletrônico no recinto era a máquina de cartão de crédito.

Depois de aparecer quase todo dia por 2 semanas, a atendente sugeriu que abríssemos uma conta, para pagar apenas no fim de cada semana, evitando passar o cartão todo santo dia.

Sugeri pagar um valor grande antecipadamente (não gosto de dever nada a ninguém), o que foi prontamente aceito. Ela abriu um caderno, colocou meu nome numa página em branco, e o esquema estava montado.

Usar um sistema computadorizado definitivamente não é sinônimo de agilidade nos negócios. Pode muito bem ser o contrário.

e-mail icon