Site menu Resenha: Pense como um freak
e-mail icon
Site menu

Resenha: Pense como um freak

e-mail icon

2017.10.16

Este artigo expressa a opinião do autor na época da sua redação. Não há qualquer garantia de exatidão, ineditismo ou atualidade nos conteúdos. É proibida a cópia na íntegra. A citação de trechos é permitida mediante referência ao autor e este sítio de origem.

Este livro é uma espécie de continuação do famosíssimo "Freakonomics", dos mesmos autores: Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner.

É um texto leve e divertido, bem traduzido, e aborda questões relevantes. Na pior das hipóteses, aumentará seu conhecimento geral (ou sua "cultura inútil"). O assunto gira muito em torno do eixo fincado por "Freakonomics": os efeitos dos incentivos econômicos sobre o comportamento. O livro vai agradar mais, ou menos, conforme este tema for a sua praia ou não. Mas o texto também aborda a radicalização e inflexibilidade das opiniões das pessoas, um assunto pra lá de atual. Aqui e ali, alguns argumentos lembram um pouco outro livro: A arte de pensar claramente.

Por outro lado, não espere um texto tão surpreendente como o Freakonomics. Dá pra notar que os autores cavaram muito para conseguir encher mais um livro. Citam até aquela velhíssima história da exigência contratual do roqueiro Van Halen (uma jarra de M&Ms de todas as cores exceto marrom). Repetem novamente aquela história da correlação entre liberação do aborto e redução da criminalidade, que de fato foi a tese mais chocante do primeiro livro, mas todo mundo já está careca de saber. (Ou pelo menos eu estou careca.) Também transparece um tom levemente autocongratulatório e arrogante que não se percebia no Freakonomics, afinal naquele tempo os autores ainda precisavam vender suas ideias.

Se você está preso em um aeroporto, ou tem um voo internacional para encarar, e os outros livros da livraria do salão de embarque não apeteceram, este pode ajudar a passar o tempo. Se você está estudando economia e incentivos a sério, penso que ler direto do "original", ou seja, do Freakonomics, é mais negócio. E se já o tiver lido, não sei se ganha muito lendo também este.

e-mail icon