Site menu O enigma da pirâmide
e-mail icon
Site menu

O enigma da pirâmide

e-mail icon

2013.07.26

Este artigo expressa a opinião do autor na época da sua redação. Não há qualquer garantia de exatidão, ineditismo ou atualidade nos conteúdos. É proibida a cópia na íntegra. A citação de trechos é permitida mediante referência ao autor e este sítio de origem.

Andei assistindo muitos, talvez todos, os videos de um vlogger apelidado "Pirula", um Ph.D. em Biologia. Num dos vídeos ele comenta a dificuldade do cérebro humano em enxergar processos. Enxergamos os pontos extremos A e B mas não inferimos, senão com muita instrução e treino, o processo que leva do ponto A ao ponto B.

O Pirula é "ateu praticante", o argumento acima deve ser uma das bases do ateísmo dele. Mesmo que esteja certo, parece meio antipático, típico de ateu mesmo, dizer que todo mundo é incuravelmente burro. Você acredita em X porque tem um cérebro imperfeito, mas eu vi a luz e acredito em não-X. Fica fácil provar qualquer X.

Mas ele deve estar certo quanto à nossa dificuldade inerente com processos. A maioria das pessoas tem ainda outra dificuldade: lidar com processos exponenciais. Isto é citado num tomo d'Os Fundamentos de Física (Halliday, Resnick, Walker). É outra deficiência inerente que só pode ser curada com educação decente e olhe lá.

Alguns exemplos, reais e imaginários, de atrapalhações com crescimentos exponenciais:

Chegamos então nas pirâmides financeiras, real assunto deste post. As pirâmides vêm e vão regularmente, a cada década pelo menos, como catástrofes naturais. Sempre a tempo de educar cada geração a respeito de processos exponencias. Claro que é educação do jeito antigo — debaixo de pau.

Eu divido as pirâmides financeiras em dois tipos: as explícitas e as implícitas. Pirâmide explícita é alguma variante do esquema de Ponzi, que uma pessoa razoável ainda consegue vislumbrar que é uma farsa — mas quando uma destas aparece, você descobre que pessoas razoáveis são minoria!

Pirâmide implícita está embutida em algum esquema, que dá a impressão de ser um modelo de negócio.

Por estes dias estamos vendo o "fenômeno" TelexFree. Já vi tanto disto que nem me chamou a atenção. Só ficou mais persistente na memória porque coincidiu do blog do Luís Nassif (que eu amo odiar) ser atacado, coincidentemente depois de umas reportagens críticas à TelexFree.

Mas presenciei um fenômeno de pirâmide que varreu a cidade em 1993, assim como a TelexFree parece ter varrido o Acre. Era um esquema Ponzi sem tirar nem pôr, não havia nem mesmo simulacro de venda de produtos. Duas semanas de furor.

Houve um dia, que chamei de "Quinta-Feira Negra" onde simplesmente não se trabalhou na software house em que eu era empregado. Muita gente que eu julgava inteligente caiu no meu conceito. Os argumentos eram sempre no estilo seita religiosa: Fulano entrou na pirâmide, Fulano é sério e esperto, logo deve ser uma boa.

Eu não entrei; até acreditava que poderia ganhar-se dinheiro com aquilo, mas uma conta simples mostrava que, para um ganhar, oito teriam de perder, e não me senti confortável com isto. Confrontadas com este argumento, as pessoas tinham aquela atitude de "se eu ganhar o meu, que se f*da", que a pirâmide ia se espalhar pra outras cidades e lá é que o negócio poderia emperrar.

Como esperado, a pirâmide desabou poucos dias (ou horas?) depois. Teve um ingrediente interessante: muita gente entrou na pirâmide com cheque pré-datado, e quando o negócio começou a ruir, a galera sustou os cheques. Entre nós, acostumados a lidar com banco de dados, pilheriávamos que a pirâmide fez "rollback". Aí houve as situações de gente que já tinha depositado o cheque e recusou-se a devolver o dinheiro... muita amizade de longa data terminou ali.

Muitas pirâmides, que poderíamos chamar de "semi-explícitas", usam um produto para veicular o argumento. A Amway era "marketing de rede", parece sustentável até você considerar que vender produto de limpeza para amigos não poderia render-lhe uma fortuna... Por mais que os produtos Amway existissem, a promessa central de enriquecer montando uma "Rede" era piramidal, exponencial. Veja que essa mulherada que vende Natura ou Jequiti, faz isto como um bico, ninguém paga a conta de luz com isto; e são produtos com margem muito maior. Golpes do tipo Boi Gordo, Avestruz sei-lá-o-quê, seguiram este padrão.

Já as "pirâmides implícitas" são os negócios da moda que de tempos em tempos capturam a imaginação da classe média e média-alta. Factorings, flats, cotas em hotéis. Alguns acreditam que a recente coqueluche dos imóveis são a pirâmide do momento. Uma moda particularmente duradoura, que por acaso acompanhei de perto, foi a das "factorings".

Factoring em si é um negócio legítimo. Trata-se de desconto de títulos mercantis. Digamos que a empresa A vendeu produtos a prazo para B, mas gostaria de obter o dinheiro antes do vencimento. Você então vende a duplicata (ou título equivalente) para uma empresa de factoring C, e recebe o valor na hora, diminuído de uma taxa de desconto. No vencimento, B para diretamente para C.

No Brasil o factoring virou modinha mediante uma seqüência de distorções, legais e ilegais, do conceito original:

Assim, havia uma factoring em cada esquina, com seu respectivo dono fazendo projeções mirabolantes. Numa delas, alguém tinha investindo 1000 reais e esperava comprar uma Ferrari em três anos. É bem verdade que nos bons tempos do FHC uma Ferrari custava R$ 66 mil. A moda contaminou inclusive grandes empresários. Vi muita gente perder fortunas em factoring.

A moda das factorings tinha diversos componentes "piramidais". O primeiro, mais banal, é a captação de recursos, que como eu disse é ilegal. Quando a factoring vai mal das pernas, basta convencer mais alguns trouxas para fazer caixa e fingir normalidade por mais um tempo... Mesmo as modalidades "legalizadas" de captação, como sociedade ou empréstimo com promissória, não dão proteção efetiva, não há Fundo Garantidor de Crédito.

O segundo componente é o fato da empresa "vender dinheiro". O típico pequeno empresário brasileiro, burro como ele só, que tem de perguntar pro pastor se paga o dízimo sobre receita bruta, receita líquida ou lucro... Este cara vê o dinheiro em caixa e acha que pode sair gastando. Já é fatal numa empresa normal, imagine numa factoring. O dinheiro dos trouxas investidores vai se materializar em sítio, barco, noitada em puteiro.

O terceiro componente é achar que uma taxa de juros de 10% ao mês é sustentável, ou mesmo realizável — porque ela embute um risco enorme. Mesmo nos anos 1990, quem aceitava pagar uma taxa destas, é porque já estava com nome sujo e vislumbrava dar o calote.

O senso comum diz ao dono de factoring que ele vai enfrentar 1% ou 2% de inadimplência, mas facilmente chega a 10% ou 20%, já vi passar de 50%, porque o próprio comerciante empurra os títulos "podres" para a factoring. (O comerciante também quer ganhar 10% ao mês sem fazer força, então ele retém os cheques dos melhores clientes para si mesmo, conforme seu capital de giro permita.)

Em tese, o factoring "de varejo" é viável, estabelecendo uma boa relação com o cliente e escolhendo bem os cheques pré-datados. Mas o custo de discriminar os títulos bons é proibitivo frente à relação risco/retorno.

O único tipo de factoring que é lucrativo e sustentável, é quando B e C são a mesma entidade. Ou seja, o próprio conglomerado que comprou um produto a prazo, oferece ao seu fornecedor pagar à vista mediante um desconto. Não há risco e é 100% legal.

e-mail icon