Site menu Fatia de amora
e-mail icon
Site menu

Fatia de amora

e-mail icon

2012.11.10

Este artigo expressa a opinião do autor na época da sua redação. Não há qualquer garantia de exatidão, ineditismo ou atualidade nos conteúdos. É proibida a cópia na íntegra. A citação de trechos é permitida mediante referência ao autor e este sítio de origem.

Figura 1: Slice of Pi desmontado

Depois de fazer um LED piscar sob o comando do Raspberry Pi, veio o desejo de refazer o circuito de forma mais definitiva e limpa. Para facilitar esta tarefa, adquiri na Ciseco dois exemplares da plaquinha Slice of Pi.

A figura acima mostra a plaquinha, ao lado de um LED vira-lata de 5mm, para comparação de tamanho. A placa é realmente pequena; se houver necessidade de uma placa maior, há uma outra à venda, chamada "Humble Pi", com área quase igual à do próprio Raspberry (cujo tamanho é aproximadamente o de um cartão de crédito).

Como se pode ver, os conectores vêm soltos, então é necessário ligar aquele velho ferro de solda. Fazia 30000 anos que não soldava algo numa placa, e as ilhas do Slice of Pi são todas cercadas pelo GND, que ocupa grandes áreas da placa. Porém o verniz que cobre as trihas é mutio bom, realmente a solda fica apenas no buraco, não fechei nenhum curto.

Nessa hora, soldando coisas pequeninas, é que você descobre que já não é mais um adolescente, e que pessoas mais velhas precisam de um abajur ou lanterna para enxergar detalhes com clareza. O ideal mesmo seria aquela lupa iluminada de joalheiro.

Figura 2: Slice of Pi montado

O único detalhe estranho foi que o terminal GND não fez contato. Soldei uns três pinos GND do conector GPIO, e nenhum deu continuidade com o GND da placa. Não sei se a intenção é forçar o uso de um jumper para ligar o terra, ou se tinha de soltar uma ponte em algum canto. O que eu acabei fazendo foi raspar o verniz perto de um dos pinos GND e colocar solda.

Eu devia ter comprado mais chaves pequenas. Como a que utilizei no primeiro "projeto" estava cheia de solda e fita adesiva, usei outra chave, que se revelou meio grande para a plaquinha.

Como se pode ver na foto, mesmo com a minha inexperiência, os componentes montados numa placa resultam num acabamento muito melhor que o "espaguete" de fios e jumpers.

O medo de fechar um curto qualquer e queimar o Raspberry era grande, então fiquei bastante atento e verifiquei com multímetro a cada passo.

Figura 3: Slice of Pi em uso

O cuidado valeu a pena: a plaquinha funcionou de primeira. Uma vez encaixada no Raspberry, a placa praticamente "desaparece", e o conjunto caberia numa caixinha bem pequena.

Acho que a ideia da plaquinha Slice of Pi é ser análoga aos "shields" do Arduino, que também encaixam sobre o Arduino-base e formam um conjunto compacto.

e-mail icon